8/20/2012




Hoje tive um sonho estranho, depois de chegar de Londres e ir dormir ao meio dia, nem posso chamar aquilo de dormir, eu apaguei sentado na cama, simplesmente passei a vez, bem, quando acordei, em meu sonho, sem saber ao certo onde estava, era algo como 5h da tarde, andei ate a janela, vi a cidade com aquela cara apocaliptica de futuro, estava completamente coberta de poeria, mal podia ver o dia... 
De longe, que nem era tao longe, eu via algo brilhar, refletir, refletia uma luz que vinha do ceu, estranho aquela poeira refletindo o que poderia ser o qualquer coisa "nao natural", entao decifrei que aquilo era o mar refletindo a luz do sol, sim, o mar reflete o sol, quando pode, e nao mais o ceu, porque nao havia ceu. 
O ceu que havia ainda era bem seco, e era o ceu da minha boca seca grudando na lingua que grudava so de imaginar em falar qualquer coisa... 
Dei mais uns passos e resolvi fazer a unica coisa que pudesse acabar com minha sede, uma coca-cola zero roubada da geladeira, voltei a olhar da janela do arranha ceu onde moro, e vi varios outros arranha ceus, e aquele reflexo de poeira que deveria ser o mar...
Depois de alguns goles, percebi que nao era sonho onde eu estava... o futuro apocaliptico onde eu me via (nem tanto por causa da poeira), era Dubai mesmo...


E a poeira sera seu eterno abraco...
...

7/18/2012

Acenda para ascender


     Eh isso, parece uma febre, todas as pessoas querem ser famosas, nao notaveis, querem ser reconhecidas na rua, admiradas, mas nao queridas, querer ser veneradas, e nao amadas... Nao, caros, nao eh a mesma coisa... mas o que voce sente agora nao se parece exatamente isso, voce se sente como um meio-morto, nao um completo-morto, porque assim seria facil demais, seria soh dexar rolar, pois os mortos sempre mudam de ideia, e nada lhes interessa, eh so seguir, mas essa sensacao de quase-morto eh terrivel, e voce fica tentando olhar coisas que nao tem cores, as vezes se culpa por nao achar nada incrivel ao seu redor, e se culpa novamente por achar que as coisas sao belas, mas voce nas as ve, as vezes culpa a realidade ao seu redor, o seu ambiente desnutrido que nao te estimula, nao te desafia, sim, uma velha mesmice da mesma coisa sendo executada diversas vezes, um pleonasmo vulgar de repeticoes, um algo historico, cultural, ai dentro do seu universo, algo que voce nao consegue mudar, e talvez nem queira, so quer sair de perto, encontrar a salvacao pra esse abismo...

      Mas tao dificil quanto ser famoso eh ser invisivel, eh um dom, um poder, alguns herois so sao capazes do que fazem por ter essa habilidade, como um super ladrao, se quiser, um super bom ladrao, mas com a habilidade de jamais ser visto, capaz de andar em qualquer ambiente, entrar em quaquer lugar, ouvir qualquer segredo sem ser percebido, isso eh ser incrivel, ... Ou ainda a habilidade de mudar de forma, extraordinario, isso, mudar de forma!!! Ser algo que voce nao eh, e poder, e saber se tornar outro na hora que precisa pra poder chegar onde voce quer, ou se nao quiser ir a lugar nenhum, poder ser outro soh por despique, por ironia, ou deboche com o hipocrita, com aquele que eh chamado de forte, de rei, com aquele que monta um grande cavalo...

     Mas e se...

     ...e se voce, podendo ser invisivel, puder ser notado por outro ser, alguem com outra capacidade, a de captar a energia, com o poder ver a realidade que nao pode ser vista, a habilidade de ver o invisivel?... Quando voce se esbarrar nela e ela te olhar de verdade, pois ela esta te vendo, ela ira te assustar, e nao ha nada mais charmoso do que ser pego de surpresa, de ter a sensacao de estar vivo, completamente vivo, poderoso, jovem, sentir o coracao bater como pugilista furioso, violento, sentir seu rosto corar, enrubescer...

     ...quanto charme ha nisso! Sim, ha muito charme quando a novidade te pega de surpresa...




00h15 - 19/07/2012

Alex Wildner

porque ser eh estar...

ser eh ser aqui...

e o aqui acontece uma unica vez!

11/29/2011

Eu já havia partido...



    Eu olho lá fora, minha janela se fecha contra um deserto de areia, contra um deserto de gente, vários corpos andando sempre pelos mesmos caminhos, sim, parece que os rastros não somem nas areias do deserto onde vivo, e os vazios e homens seguem uns aos outros... 
    Olho lá fora, minha janela se fecha contra o deserto que se abre e se estende até minha vista não entender mais nada, pois as pessoas levam o vazio ainda mais longe, levam um pouco dele para fora do deserto, e como ele se alastra...
    Olho lá fora, minha janela se fecha contra algo que me ignora, mas que me ignora não por me refutar, mas porque não me enxerga...
    Olho lá fora, minha janela se fecha contra um incontável nada, e o que vejo lá fora sou eu, um vazio imenso, um eu de areia, esse vazio que sei que não vem do deserto, vem de mim...
    Olho lá fora, minha janela se fecha contra tudo, mas a areia seca, tão esgotada, entra pelas frestas de todos os cantos...


Eu que não sei mais ser
vou me tornando o que não sou
até que finalmente
poderei dizer ser 
outro ser

7/21/2011

Cranberry Islands


Nas verdades sinceras, na ventania de nossas entregas, sobre um fio, suspensos...


Vou cometer outro crime fatal, apesar de saber há tanto tempo o que devo e o que nao devo fazer, nao resisto à tentaçao de expor minha pele ao sol...
Prometi a mim mesmo nao cometer esse pecado, me arrendo sempre depois, mas o prazer da confissao é inegável! - Que resulte em nada! - Nao me importo! - Nao busco resultados, nao busco nada, nao olho para ver onde estou indo...
É maravilhoso estar à deriva...
Minha confissao segue ao som de uma música que eu conheci aqui, na Cidade-de-Plástico!  Que ironico! Tudo plástico, todas as coisas aqui tem somente um lado, o lado de fora... e logo aqui foi acontecer isso comigo... fervilhar meu terreno fértil...
Sua fotografia está agora diante dos meus olhos, pendurada a parede. Estou congelado diante de voce, com muito calor no meu sangue. A trilha sonora é um violino e um piano que tocam aqui e fazem o som delicado do seu olhar, aquele olhar de um segundo, fulgaz, que esconde nao sei o que... - Nao quero decifrar, que seja esse o seu segredo... e como é delicioso esse mistério...
Nao importa se só vejo areia, se o vento traz poeira, se tenho meus olhos irritados, se o ar fica difícil de respirar, o sono é pouco, o cansaço é maior... o meu pequeno terreno fértil permanece úmido. Meu peito fertil é estrangeiro na Cidade-de-Plástico!  Nao temo a aridez das coisas. Estou brotando e fervilhando por dentro. Nao devo te confessar isso, mas o que eu posso fazer? Deixei o eu-forte  e o eu-cruel  trancados do lado de fora do meu quarto, e aqui está somente o eu-menino... o menino que te olha perdido, que, mesmo sem te esperar, aguarda voce. Aqui estou só, estou comigo mesmo, é apenas um de mim quem te escreve, é ele quem se abre... Voce, minha chuva que cai aqui por dentro... Voce, minha brisa delicada e orgulhosa... Voce, minha dúvida, meu passo em falso... Meu passo em falso, meu passo em falso... Nao me importo em deslizar e me perder... A minha única decisao foi vir até aqui só para ver o que acontece...
Se tudo for só isso, entao já será mais do que é preciso, por que de nada necessito, se o nosso tempo for só um momento, que assim seja, mas que seja intenso, que vivamos, que respiremos o nosso ar, que ele seja nosso enquanto estiver dentro de nós, e que deixemos ele sair quando for a hora... Pois a única coisa que temos é o tempo que vai se passando, nao temos nem a nós mesmos, nao podemos nos segurar no fio do tempo, estamos somente equilibrados suspensos em uma linha... Respiremos livremente. Pois sem o ar solto, nao poderemos ficar equlibrados na linha, cairemos e perderemos a vista maravilhosa de todas as coisas... Esse frio que dá na barriga quando cruzamos lá no alto caminhando sobre a linha viva... quantas maravilhas e quanta vida podemos ter e ver do alto, podemos desfrutar enquanto respiramos, e respirar enquanto desfrutamos, com nossa pele tao sensível, a mais delicada de todas... tudo para podermos tocarmos um ao outro. Tocarmos um ao outro... Suspensos... Que faz voce aí distante? Deslize sobre a linha... Que destino te trouxe aqui? Nao me responda, só deslize, deixe-se suspensa, e, ora ou outra, solte seu ar sobre mim...




Alex Wildner nao sabe o que se passa do lado de fora...
ele olha da janela e nao ve...
Para ele nao há janelas,
O que há, um mundo inteiro, um infinito.
Para ele, o lado de fora da janela está dentro,
pois todos os lados sao um só!
Ah, esse menino, vive embaralhando as coisas,
os tempos, os espaços, os sentidos...
dissolve o dentro e o fora, o tudo e o nada.
Ele olha da janela e nao ve lá fora, pois nao há mais lados para se ver...
tudo é como deveria ser, sem fim! 

6/23/2011

My clever O. was right

...


Yes, dear O., you are always in my life, and you were always right, even when you were not, somehow there is something sweet in the mistakes and in the pain...

We, human, will always kill what we love, always, that is true, but I cannot pretend that is not a two-way road, we ended up always being killed by love!
Who is the monster, at the end of the story? We...? Our feelings?

Do we create our own feelings or they just grow up by themselves? And if we create them, is that just for the morbid enjoyment of killing them all, or for the delights of the pleasure of a suicide?


...

2/19/2011

Eu nao sou exagerado

Duvido que eu volto!
Tenho certeza daquelas absolutas que eu vou pro Brasil pra ficar lá! Certeza, eu ia agora, com a cabeça alucinada da viagem da Austrália. Alucinante mesmo, porque o lugar é louco, e é do lado do lugar mais cheio de desenganados, Aukland! Pra deixar as coisas mais com cara de delírio, eu dormi nada. Seis dias de viagem e poucas horas de sono! Embarcar pro Brasil em seguida, mais 15 horas de rush no céu de fevereiro. Do deserto onde moro para a Cidade da Garoa. Nao faz sentido. Assim me empolgo mais, dentro de uma contra mao.
Napoleao, me espera!
Vou roubar voce!
Tenho certeza que vou lá e vou ficar. Aquela  vontade de virar as costas e viro mesmo. Sei lá. Acho que tem duas coisas que me prendem à Cidade de Plástico, uma é vida que dá uma grana, mas que nem é lá grande coisa, mas tem o tempo livre em lugares e em tempos diferentes. É a motivaçao prática para a entrada do Chatíssimo Plano Metódico Infalível, que nem é tao chato assim, e nem tao metódico, infalível?
Mas que dá vontade de virar as costas e ser só  o que eu sou, rasgar essas camadas de pele, deixar no chao e sair andando pisando por cima.

Uma pergunta de importancia extrema que nao quer calar e vive batendo nos dois lados do meu cérebro:
quanto de álcool posso levar para o Brasil?

Eu sou a labareda!
Está sol lá fora! Vou pra cama!

1/22/2011

O que é feito de areia, e o que nao é...


Chapter one

Tudo o que ele se imporava na vida era com a individualidade de cada pequena peça daquelas antiguidades que ele estudava tao minuciosamente, todos os detalhes que somente ele poderia ver. Nenhuma beleza o escapava, o passado se revelava em suas maos, naqueles pequenos vasos, estáduas, que talvez tenham sido tocados por deuses antigos... ou por velhos escravos mortos, que valiam menos do que um desses objetos depois de quebrados, quem poderá dizer? Ele sabe a resposta, mas ainda nao nos disse. Ele continua olhando, focado, seus pequenos objetos, em um universo que nao nos pertence, e que ele perceberia mais tarde, que nao pertence nem a ele, nem a ninguem, pois esse universo nao existe mais! 
E secretamente nos poderia ser revelado que este universo, que ele tanto oberva, talvez nunca tenha existido, e seja somente o produto de uma analise cientifica! Um objeto real com um passado imaginario. Ele agora coloca o objeto de volta em uma caixa, a caixa em uma estante, senta-se, pega outro, com tal decisao que nos faz imaginar que ele está seguindo um roteiro mistico, ou Maia, nao enxergo daqui. O que ele nao nos diz é em que este roteiro é baseado, ou se o roteiro que seduzidos imaginamos é só uma desculpa para ele olhar para outro lado.


1/09/2011

Rise and goodbye

Coming on a different street...

I`m in StandBy Mode today. I feel like a doctor in a ER without any charm! I`ve heard all the songs of the world, I sang in every tone I could, threw the "Metal against the clouds", I `ve been "down to the Dirty Boulevard”. I almost didn`t  hear the sound of the mad cow that screams out every day. I think I`ve been deaf to what is outside of me.


I`m blind, not dead. I think of taking out some of my blood. My veins are working hard! And the perfect pleasure, if it existed, it would stay outside of my house, I mean, the place I`m living now. I don`t give a damn, cause I`m in StandBy Mode, but the the StanBy Mode is not in me.

“Debaser”

This StandBy Mode put me face to face to myself. But the sun today is out there chopping the wood, and I burn, burn myself ...
- Burn your skin before your head bursts into flames.
I can extinguish the fire with my blood, spilling it from the window of my house with no doors!


“Gigantic, gigantic”

27°C in this dusty winter! I `m throwing burning wood from my window, just to make it hotter.

Maybe I'm just "un chien Andalouse". And I keep following the road of excess, it can save me from mediocracy, these mess of the reality that is called society. These illusory torn pages. Do not read them. The plastic tainted pages of nowhere!
Enjoy, have fun with them, laugh on their face, but don`t believe in that story, don`t be part of them. Don`t write an empty page.

I exagerate in being myself, the silence comes as a hard rain, but it only makes me prettier and younger, the silence can say more than any word or picture. I will always be where I am, anywhere I go!

Rise and goodbye…

.

1/08/2011

As coisas que nao sao ditas...

...
Eu falei que eu tinha sorte... é o que eu recebo da vida, por ser sincero comigo mesmo!


Agora é quando eu devo parar e me atirar como uma flecha explosiva, devolver a graça que eu ganho. É fácil perder o rumo.

Tenho o tempo para meus delírios, e sou avisado das turbulencias. Quando sao inesperadas, sempre há um espaço seguro ao meu lado. Nao é sorte, é o premio que se ganha por ser o que se é!

Vivo em um país estrangeiro, tenho que cruzar a linha.
Toda beleza se equilibra no fio de uma navalha!

Grande beijo a quem quer que voce seja!
...

1/03/2011

Don`t hold back!

...preciso dos meus queridos insanos e dos desequilibrados ao meu lado novamente... acho que estou sozinho e me autopreenchendo... e quando eu chorar, entao será derramado fogo sobre meu rosto...


...eu sempre aumento o volume, desligo o som... aumento mais... desligo com um chute... aumento ao máximo e ainda grito... 
...eu quero ver a fumaça subir e saber que eu fui o responsável pelo incendio, por todo o incendio do mundo... do meu mundo!


uma adorável calamidade pessoal!

PRESS THE BUTTON


12/22/2010

Carta para a menina


Para voce que agora está tao longe!


Ainda nao resolvi nada aqui, digo, algumas coisas sim, outras ficam pra trás, a hora delas vem chegando.

Mas tudo está indo, é impossível as coisas nao irem, acho que é uma sensaçao muito ruim, de medo, de ficar algo sem resoluçao, mas tudo caminha. Até quando as coisas estao estagnadas, cheias de lama, ficar parado também é uma forma de se movimentar, pode até ser a açao mais sábia de todas, dependendo de como se fica, dependendo da escolha. Nao é esse o meu caso!!! Nao esperava quebrar uma costela, nem encontrar pequeninas partículas sólidas e alienígenas dentro de mim!



Agora estou aproveitando pra ler as coisas que eu já esqueci, e já esqueci demais! Todas as pessoas falam que nao se lembram de nada do treino, e deve ser verdade, tanta informaçao e agora eu também nao lembro direito, é claro que se eu reler, vou me refrescar, assim espero! Mas voce me conhece, sabe que eu nao quero me lembrar, sabe que eu vou indo e vou indo, do lado contrário. Outro risco que corro, e esse eu aposto pra perder, é que eu vou descobrir que, quanto mais eu ler, menos saberei, porque conforme o conhecimento vem chegando, mais e mais nos apegamos aos detalhes... e como há detalhes...



O valor dos detalhes!
uma pedrinha...


detalhe
...
.

Tem muita coisa pra relembrar, números, procedimentos, coisas e coisas! Mas o que mais sinto falta de relembrar é daquilo que eu sou. Do que resta do que ainda sou. Ando escrevendo em partes, pensando em cacos. Tudo picotado. Quando faço algo inteiro, logo vem aquela vontade louca de estilhaçar as coisas. Outra atitude que ando tendo aqui é a de trocar o estado de "ser" pelo estado de "estar". Aqui eu "estou Alex”, nao “sou”, aqui eu "estou um Alex", um transitório... Aqui estou transitório, um ser errante que "vai seguindo" mais por dentro do que por fora. Talvez eu esteja indo até ver onde o motor aguenta, como na longa Highway. Vamos ver até onde posso me transformar. 



Aposto que todos mudamos, mas me assusto quando revejo alguns amigos do passado, amigos eternos que já deixaram de "ser" e somente "estao", e às vezes vejo aquele pequeno rastro de alguém que eu já vi, alguém que já "foi". Mas até onde vai essa transformaçao? Será só a mudança da casca, da pele? Será que no fundo nada muda? Que por mais que o mundo se esforce, que nós mesmo lutemos contra nossa natureza, nada realmente muda, que estamos condenados a sermos nós mesmos, até o fim? E se for, mas sendo o caso gravíssimo, a pessoa sendo somente casca, entao ela terá mudado completamente depois da troca de peles? Terá ela mudado algo que ela nem era, que nunca foi? E se formos todos assim, mesmo os menos rasos? Será como quando-acordamos-de-um-sonho que-nao-é-nosso... o que acontece, ah!... desaparecemos?

Está tocando Rachmaninov, concerto de piano número 1. Só pra saber o meu ritmo!

Sobre sua viagem, eu acho melhor mudar mesmo, pois todos estao tendo problemas com a Europa, essa deusa das águas. Um colega meu da República Tcheca "foi" pra Londres. Na verdade, quando ele estava chegando lá ele teve que voltar pra Dubai, acredita? Imagina isso, uma viagem longa dessas, com tantas expectativas, e tendo que voltar por causa de condiçoes sei lá do que, de tempo, de espaço, de tempo-espaço (?!) hahaha, segura essa, “E” de Einstein, me explica! hahaha.

Mas a Europa está nos ensinando como é a vida adulta, essa caixinha-de-surpresas-vazia! Os meus conhecidos que vao pra lá ficam com medo antes de ir, pois as coisas estao imprevisíveis! Nao sei por que esperar algo de alguém assim, assim, tao, tao...instáááável!!! hahaha

Acho que seria legal voce ir pra lá sim, mas agora está complicado, mas nao desiste nao. É muito bom ir pra outro lugar, e acho que se voce for no verao, entao será lindo! As coisas sao intensamente bonitas, o dia dura 3 ou 4 horas a mais que o normal, voce sabe, tudo é florido. Eu, com meu instinto-sombrio, fui no inverno mesmo! Talvez quisesse ver se minhas solidoes "inchavam" até explodir, naquela cidade, ou se a cidade explodiria em mim.



Coloquei a música do tal do Jesse aqui... triste hein?!

Vou continuar a ouvir e a escrever!

Esses dias fiquei sem internet. A internet estava funcionando, mas minha máquina de escrever futurística nao se conectava à rede... enfim, é a mesma coisa! Uma instabilidade e imprevisibilidade totais, assim como Eu e a tal moça-confusa-Europa, hoje em dia. Estou me sentindo comigo mesmo! hahaha Uma mudança de humores brutal, será castigo ou será uma escola? hahaha

O que é isso, menina? Que música é essa? Linda, linda, linda e suicídica! Ainda mais nesses momentos de solidao em que vivemos! Triste e linda, linda e triste. Me deixou angustiado, triste, é claro, e o que mais? ... Solitário, fraco, com aquela sensaçao de "onde estou e pra onde vou?", e "o que estou fazendo aqui?" E ainda, "se eu nao estivesse aqui, onde estaria?" Essas perguntas na cabeça, essa cabeça nas perguntas... Vivendo e trocando as coisas de lugar!

Quando eu paro para pensar na vida, a vida pára para pensar em mim. Fico tao assustado! Ela tem olhos enormes e úmidos, voce sabe como eu sou, quando olho para olhos umidos... Tudo é tao sem sentido. Logo começo a me ver neles, e eles se veem em mim. Ficamos infinitos diante um do outro e de nós mesmos! Em espelhos! Exatamente como deveria ser!

Hoje eu fui ao shopping e fiquei passeando, e como voce também sabe, essa-é-minha-diversao-favorita! Hahaha Mas eu me distraí, de verdade! De verdade mesmo, sem risadinhas! Foi divertido! 
Quase comprei uma calça-jeans, e uma calça-jeans quase me comprou! Hahaha Por sorte o rapaz da loja veio até mim e disse que a loja fecharia em 5 minutos, daí elas, as calças-jeans, nao tiveram tempo de resolver quem ficaria comigo, e naquela discussao calorosa dentro do provador-misto da Cidade-de-Plástico (paradoxo, claro!), elas ergueram suas vozes, ameaçaram-se, e eu acabei saindo de fininho! Meu plano infalível posto em prática, pra provar sua eficácia! Causar a confusao, discórdia e o caos para sair caminhando, elegantemente, pelo hall principal da casa, com os convidados a sorrir pra mim (ou a sorrirem?)! 
O caos e a discórdia tem também seu tempero! 

Logo logo eu me dobro e me penduro em um cabide...



...exatamente como o rapaz da outra história que eu escrevi, sobre Dolce & Gabanna. Hahaha Se eu estivesse na moda, me penduraria! Mas como sou algo meio “retro”, fico assim, no brechó, meio jogado, fora-da-vitrine, bem no estilo “pra-quem-sabe-olhar”. Em breve as coisas retornam, como cantou o tal "N" de Nietzsche, e tudo se transforma em fantasia, e a moda, tao sedutora e insuportável, tem que se retirar para logo retornar com outra maquiagem, enfim, um teatro somente estético...

Respondendo sua pergunta sobre o meu fim de ano. Será assim: ploft! Aqui, certamente. Almoçar com um pessoal que eu nao tenho certeza ainda, mas será em algum-lugar, isso eu aposto! Lugar-nenhum é que nao pode ser, pois aqui, na Cidade-de-Plástico, ir para lugar-algum é crime, pode ser algo fatal! Hahaha

As pessoas-que-ficam, as pessoas-que-nao-vao-voar, as pessoas-que-ainda-nao-sabem-voar, e as pessoas-feridas (eu, que sou mais de um!!), essas vao ficar aqui também... Pronto, vai ser assim. Sempre é divertido quando tem gente, pois as pessoas estao todas no mesmo barco! Por enquanto, claro, mas logo elas pegam seus barquinhos pessoais e começam a ir cada qual em uma direçao. Nao há crime nem pecado nisso, é só o inflar natural das velas. Eu me divirto, vivo, sorrio com elas, divido e duvido as suas tristezas, exponho algumas minhas, invento outras, mistifico, divido o que é temporário, e o que nao é, e o que sempre volta. Nos distraímos!



E entao os menos-estrangeiros seguirao juntinhos... Já os outros, os poucos, os forasteiros, os mais-que-estrangeiros, correrao e correrao soltos por aí... Isso se por cá houver mais de um desses, mas se nao houver, o ultra-estrangeiro continuará a passar e passar... águas e as estaçoes...



Um grande beijo, menina de longe!


...

11/21/2010

Quando sob um certo abismo

...
Diversos fantasmas sobre meu abismo curvam-se...
Há tempos o observo, mesmo antes de os espectros estarem aqui, mas só agora fui enxerga-lo novamente.
Fiquei um tempo paralisado sobre o imenso buraco antes de gritar meu nome sobre ele...
Muito depois veio o eco que dizia também meu nome, mas invertido!
Gritei outra vez. O eco esperou até que minha expectativa rasgasse meu peito, para depois repetir o contrário, como um espelho de som...


Gritei entao meu nome invertido, e o inverso de meu grito retornou o eco. Soltei outro grito invertido. Outro eco ao avesso do avesso. Assim fui invertendo, desinvertendo e repedinto diversos gritos de meu nome, de diversas maneiras e tons avessos... Tantos foram os gritos, tantos os inversos.


Gritei e gritei, invertido, desinvertido, gritei por tanto tempo que nao mais sabia qual era o meu nome. Gritei e me confundi com meu avesso, gritei até me esquecer de quem eu era...
Mais tarde - já embaralhado com minhas cartas e atordoado com as vozes que nem mais sabia se eram realmente minhas - achei que eu fosse o tal abismo, ou o eco, ou meu próprio grito!


...

9/02/2010

Time Traveller


- Dois carros já tinham disparado na frente enquanto eu nem sabia ainda como eu iria chegar até onde fui parar, tão deslizante, e encontrar um imenso divisor de avenidas. Não tinha ideia do tipo de ser vivo que iria esbarrar por aí, não imaginava mudar todas as coisas, roubar um ônibus cheio de gente em Cingapura, desencadear duas revoluções no Vietnã, arrumar briga com um estadista que acabou por me perdoar depois de eu ter dito uma mentira tão bem contada a ponto de ele quase cair no chão de tanto rir da situação, ali grudadinho na cordilheira do Tian Shan, depois de ser confundido com Ualid Saliba, um roqueiro famoso que nunca mostra a cara quando está no palco. Tudo foi ótimo. Nada poderia ter saído melhor.


Até quando me ferrei bonito e acabei sendo preso por 15 minutos por ser também confundido com um outro cara, um tal Ashra Lin, famoso terrorista de pele bem morena e traços físicos bem fortes, típicos de sua região, o que explica muito claramente o fato da confusão ter acontecido comigo. Quem me conhece sabe do que eu estou falando. A única coisa que eu arrebentei de verdade e com vontade foi uma janela de vidro usando o punho direito, de tanta raiva que eu senti de um argentino nanico, depois de ter defendido por uma vida inteira o fim da rixa entre brasileiros e argentinos. - É aqui que tudo é pago. O que você faz de bem, o que faz de mal, o que não faz e o que faz os outros fazerem... Aqui é que é pago. Sem pregão, colega! - minha mão ficou sangrando um tempão depois disso, foi delirante, insano. Recomendo!

Os dois carros já tinham zarpado fritando seus pneus de borracha e largando a fumaça e o cheiro que ela tem pra trás, eu ainda estava parado, mas acabei gastando tudo que tinha guardado para aquela viagem, daí começou outra jornada. - Como fazer para conseguir aquilo que eu já tinha conseguido? Fui estragar as coisas em uma enxurrada de desperdício - Pirei fazendo isso - eu faria tudo novamente, aliás, vou fazer assim que eu juntar um bolo bem grande de dinheiro, vou fazer uma fogueira imensa e torrar tudo, vai dar pra ver a luz das labaredas da minha fogueira da fortuna lá da lua e até da *&%#@$% que pariu vão ver e gritar olha lá o cara incendiando tudo, torrando duas fortunas, fumaceiro louco!. Vão berrar e apontar para a minha fumaça lá nas nuvens, vai animal!... Minha viagem nem havia começado, e eu já tinha partido. Pro lado errado, claro. Está indo pro lado errado, cara!, gritavam e gesticulavam com suas mãozinhas agitadas, vai pro outro lado!, - calor de um sonho sórdido! - mas eu não estava nem aí, continuei seguindo, depois de ter certeza absoluta, e ter escolhido minuciosa e inconscientemente, as emotivas razões que estavam me guiando...

8/23/2010

Para não nos esquecermos...

Só para deixar aqui registrado para um futuro próximo...

(Agência Reuters)

PMDB e PT tentam minimizar disputas na coligação de Dilma

segunda-feira, 23 de agosto de 2010 13:15 BRT
 
SÃO PAULO (Reuters) - Os presidentes do PT, José Eduardo Dutra, e do PMDB, Michel Temer, que também é candidato a vice-presidente na chapa da petista Dilma Rousseff, se esforçavam nesta segunda-feira para minimizar notícias sobre discussões em torno de divisão de poder e cargos dentro da coligação governista, no caso de vitória em outubro.
O assunto ganhou destaque na imprensa depois da divulgação da pesquisa Datafolha, no fim de semana, mostrando uma vantagem de 17 pontos percentuais de Dilma sobre José Serra (PSDB), o que lhe garantiria hoje a vitória no primeiro turno.
"Em nenhum momento na aliança com o PT e demais partidos para as eleições presidenciais, houve qualquer negociação a propósito da participação no governo", afirmou Temer em nota divulgada nesta manhã.
"Os únicos compromissos firmados por escrito com o PT foram os de que o PMDB teria a Vice-Presidência da República e participaria da formulação do programa de governo. E é isso, apenas isso, que foi estabelecido e vem sendo rigorosamente cumprido", acrescentou o peemedebista.
Mas no início do mês, o próprio Temer falou em "partilhar o governo". Naquela ocasião, em encontro com parlamentares e ministros ele afirmou que, uma vez Dilma eleita, os dois dividiriam o próximo governo com os aliados...

8/20/2010

Seguir à risca!


Dois passos para trás, um para frente, três para a direita, imóvel por três segundos. Um pequeno salto à frente, pare por mais 2 segundos, 180º para a direita. Olhar duas vezes para trás, andar por meio círculo no sentido anti-horário, pare por mais 2 segundos.
É só seguir em frente, mas, desta vez, saia correndo...
...loucamente!


7/15/2010

Who let the dogs out?

.
Briga de cachorro? Não ofenda meu salsichinha...


7/06/2010

Kubrick



Em 1974 
a Alemanha segurou.
Em 1978 
a Argentina foi a pedra do caminho da vez.


E agora
Ninguém segura Kubrick!!!!

6/15/2010

A Fumaça que te escapa... - resposta





Sabe quando pensamos que estamos indo, e quem vai, na verdade, é todo o resto? Nós só ficamos, somos a sobra... o que nos fica, um sorriso de plástico, uma vantagem módica,  um silêncio-pensamento, um sono-tormenta, um olhar-paralisia e um arrependimento que se esconde, esconde, mas que brilha no nosso escuro...


Acabo por não saber se isso é o que te ocorre.
Não é comigo...
Não fico pra ver!
Quando o telefone não toca, eu não fico sabendo.
Se o sinal não chega, eu já havia me esquecido...
E o plano não se realiza, ele foi mal feito.
Não valia a pena!


Eu acendo o fogo!
O meu, o de outro.
Acendo o fogo que dói. Queimo o que é sem valor.
E jamais fico.
Sou aquele momento que se perdeu...
O piscar de instante não volta a acontecer!
O detalhe se perde, uma avalanche cai...
Eu sou o que se foi!
Sou!
Eu não estou aqui...


...
Para os que não foram
que aprendam ao menos a ficar...

6/10/2010

Quem se lembra dessa?



Sonambulismo


Sem fúria é o estado. Nem cansaço. Quando nem novidade, nem saturado. Quando na medida exata, com equilíbrio desalentador. O rio que corre tão liso e tem sua superfície fina como fio de navalha, passa sem ser visto, não faz som, seu reflexo não oscila, não atordoa. Não e nem nada.

O homem que se jogou do precipício por buscar algum movimento, mesmo que por breve instante ao fim da vida, está a cair até agora. O abismo não tinha fundo. Mergulhou em monotonia dinâmica. Está a cair. Às vezes ele pensa que não caiu no imenso buraco, de tão parada que é sua queda.

Diversos anjos estavam em uma árvore. Todos pendurados feito maçãs celestiais. Não peguei nenhuma e mordi. Passei indiferente e eles também estavam indiferentes. Maçãs discretas celestiais. Voltei pra casa contei a história, ninguém se assustou. Nem com os anjos dependurados, que é coi
sa rara hoje em dia, nem com minha indiferença em relação às maçãs angelicais. Desfuriosos. Todos discretos à mesa de jantar.

- Seremos um fio finíssimo discreto a seguir dentro do rio das lâminas, sem emitir som?
- Estamos caindo com o homem do precipício?

- Seríamos inatingíveis, ou já estamos anestesiados?

...

5/31/2010

Por que perder?








Por que perder?
Ele sempre se pergunta. Pra que perder? 
Mas se esquece...
Por que perder o centro?
Pra que perder o equilíbrio?
...


Som sedutor dos tamborins...
Nicotina das telas cinzas!





5/26/2010

Metrô amarelo é muuuuuuuuuuuuito chic! É treis chic! Como disse o "franceis"!



Metrô? Retrô? MetrôRetrô?
A nova super estação da novíssima linha amarela do metrô parecia o samba do crioulo doido na tarde de ontem, aqui em São Paulo! Beeeeem lotada na sua inauguração, claro! Você quer ir da Paulista até a Faria Lima? Então desligue o seu celular! Os celulares, dentro da moderníssima linha tecnológica (como são chamadas as estações), não “pega”! Sua internet, não “pega”. Nada pega ali embaixo. Aliás, só o bixo “pega”, e não dá pra correr! Ali nada se mexe, mas também não precisa nem se segurar, o povão apertadinho te segura e ninguém cai! E se a tinta estiver fresca, o povo vai ficar com a mão amarela? Risca!


E, como tudo no Brasil, não podia faltar os confetes caindo do céu, igual a um sonho, e também um maravilhoso sambinha de uma escola de samba amarela! Eba! É festa!!! Por que será que terminaram o metrô em 2010? Por que não fizeram ele inteiro? Entregam qualquer coisa no ano de eleição, "pruquê"?!  Ééééé gooool!


O governador Alberto Goldman e o ilustríssimo FHC estiveram ali, mas saíram com seus motoristas quando a portinhola amarela abriu! Zaaaap!!! A multidão entrou faminta de tecnologia, esbarraram na catraca e deram de cara com o “vrido”! Nossa, como fez falta esse “vrido”! Quantas vezes você não ficou com medo de cair na linha da Sé, e ser “atrupelado” por um sem glamour metrô da linha vermelha, na volta do seu trabalho? Se for pra cair, quero cair na ida "pru" trabalho, "pruque" ganhar mal é uma coisa, trabalhar o dia todo igual "u cão" pra cair na volta, é trabalhar de graça, e isso já é "pedidimais"! Gente! O bixo vai vir dirigindo sozinho! Vai sobrar mais espaço pro povo, vai dá pra ir na cabine por 3,65?


Como se não estivesse tão atrasada, a tal da “entrega” do metrô, a inauguração teve mais uma espera de 1h30, com uma multidão se aglomerando na portinhola amarela! iiiiiiiirrrrruuuuu!!! "Pruuuuuuquê"? Pra andar de uma estação a outra (uma estação literalmente)? Ééééé gooool! As próximas duas vão ficar prontas em breve, pontuais como essas duas primeiras. "Quidilíça"!


Pelo menos aqui não é Salvador, que tem praia e uma construção de metrô de 12 estações com orçamento de 500 milhões, mas que foram construídas apenas 6 estações, e ainda não entregues (metade construída, nada entregue, não confunda). Isso mesmo! A empresa que venceu a licitação vai pedir outros 500 milhões, no mínimo, pra terminar a obra que deveria ter terminado há anos, utilizando esse primeiro meio bilhão! Como dizia meu ex editor-chefe patrão chefão, “Jesus, apaga a luz”!


E o Trem-Bala, será que vai ter sabor tutti-frutti e um papel bonitinho???


risquetudonãoapague

5/25/2010

Telefone do DETRAN - São Paulo


Eu sei, você deve estar desesperado e com uma raiva do tamanho da safadeza deles. Eu também fiquei. O DETRAN não disponibiliza o principal endereço, nem de longe fornece os telefones de contato, daí, se você aparece lá, eles falam que é em outra unidade, ou que você deve fazer uma lista de coisas antes, pra depois disso, eles dizerem que ainda falta uma coisa ou outra...
Mas aqui segue o contato, endereço e site. Aliás, no sítio digital desta empresa Pública, tem vários outros endereços, mas ninguém sabe qual a função de cada unidade. Mas é óbvio que eles não vão atender o telefone...
Chega de enrolação.

A ajuda chegou!
Telefones e endereços do Detran de SP.
Telefone do DETRAN de São Paulo - SP
Contato DETRAN

Endereço: Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301
CEP: 04094-901 – São Paulo
Telefones: (11) 2189-9800, 2189-9801 e 2189-9802
Site: www.detran.sp.gov.br

Queimem o serviço público!

4/13/2010

Adotem esse cachorro - adota-se cachorro de porte médio - adoção de cachorros - cães - adote um cão


Olá, pessoal, tudo bem?
Bom, fui gravar um comercial ontem e encontrei um cachorro, de porte médio, um ano e meio, mais ou menos, lindo, mansinho, dócil, bem carentão mesmo. Daí voltei lá e busquei o cachorro, levei no veterinário, deram vermífugo, deram a vacinação completa, banho ele ficou bonito e cheiroso. E como eu moro em apartamento e tenho um cachorro pequeno, salsichinha (e bravo, de verdade!) não posso ficar com ele, infelizmente!


Estou procurando alguém que queira adotá-lo, ou algum lugar que eu possa deixar até eu encontrar alguém que queira adotá-lo, por favor, ENTRE EM CONTATO - 11 6740 6196 - pode ser por torpedo ou por e-mail: alex.network@hotmail.com 
Urgente amigos, não percam tempo, dêem uma força, repassem!
Ele ganhou o nome de Zezão, mas você que adotar pode dar o nome que quiser. O Zezão é um companheirão! Doce, calmo, carente, carinhoso, daqueles que deitam de barriga pra cima pra você fazer carinho, e mesmo assim foi abandonado na Vila Madalena, uma senhora me disse que viu um carro chegando e deixando o cachorro há alguns dias lá na praça. Agora ele precisa de um lar!

9/13/2009

Dúvida: a Maldição do Homem! - mas não é certeza...



Quando não se tem inspiração...
Quando o trabalho te transforma em um objeto mais duro do que aquilo que você já é...
Quando você tosse, tosse, tosse, e não sai nada, e nem engasgado você está,
Quando nem desanimado, nem empolgado...
Quando tão neutro, tão neutro, que nem ofender alguém você consegue, pois acha isso injusto (tão sem charme esse sentimento), ou desiste da ofença porque tem muita preguiça (essa é ótima)...
Quando estiver assim, eu te darei um conselho, pode apostar!
Eu te direi e-x-a-t-a-m-e-n-t-e o que fazer, mas tenha uma certeza, tenha certeza daquelas que de tão falsas são absolutas:
- O meu conselho será caríssimo! E não garanto que irá funcionar com você, pois não conheço nenhum de seus crimes, e não saber dos crimes de um homem, é saber nada sobre ele!

8/24/2009

Ao sair de Roma...



Desde quando você precisa disso? Já falei pra você, o jogo não é esse. O que faz de você tão diferente, se for muito acentuado, se for demais ensaiado, perde a naturalidade e vai te abandonar. Você é a força da natureza explodindo a cada segundo. Sei da natureza inconstante, mas será também que se dissimula nas artificialidades? Você é tão natural enquanto dorme. Preste mais atenção no seu dormir, é assim que você era. Tão forte, sua voz, seu ar, os furacões que saem de você enquanto respira. Senti-me envergonhado. Depois que se mudou de endereço, nunca mais te encontrei. Mesmo nos seus convites... Não parecia você. Seu cabelo, suas cores.


O jogo não é esse, mas parece que você deixou seus brinquedos nas gavetas de sua antiga cômoda. Mudou-se de casa. Acredito na sua belíssima mudança. Seu novo poder, sua nova pose. Seu corpo adquirido pelo tempo. Parece que cresceu. É óbvio o seu tamanho. Os salões se abrem para você. - Já previ tudo isso.


Não quero estragar seus dias, inventar histórias para você correr, deslizar, enlouquecer, arremessar suas coisas na parede. Vou partir de Roma, vou embora, levar todas as coisas, jogá-las fora, queimar, atirar tudo pela janela, mas levarei comigo algumas fotos. Irei para longe de Roma. Não! Eu rasgarei todas as fotos, e as lembranças, mesmo as por mim apagadas em um ataque súbito de fúria, como os furacões raros...


As lembranças apagadas eu as verei às vezes, mas será como assistir a um filme antigo, quando sinto saudade do que nunca vivi. Olhando os pedaços de fotografias juntados naquela hora humilhante que ninguém pode nos ver. Aquela hora que não somos nós mesmos, ajoelhados no chão a juntar cacos, na hora em que deixamos de ser os filhos da Natureza Inquieta. Olharei o filme antigo e sentirei saudade, vou pronunciar bem baixinho as falas dos atores, repetindo como se fosse comigo, imaginando o que nunca foi.


Quando eu resolvi fazer esta viagem eu já sabia o que estava por vir. Mas quem pode, ao ter conhecido o futuro através de uma cartomante ousada, resistir à tentação de se entregar ao próprio destino?


Você nasceu para ter quase infinitas experiências. Dentre elas, os seus limites ainda se formam, mas ainda faltam seus medos surgirem, falta tanto de muito, falta ainda o mundo te jogar alguma sujeira na sua pele branca e lisa. Falta ainda mergulhar em alguma água escura, cometer crimes sigilosos. Falta você perder o que tem de mais caro. Falta ser descoberta.


Meus terremotos, sopros, minha Natureza Arredia e Violenta não pode mudar o seu curso suave, delicado e contínuo. Posso fazer meus raios tão brilhantes e atraentes, cortantes e maus, descargas elétricas alucinantes, tormentas, vulcões ácidos e corrosivos, tendo a certeza que tudo isso te arrebatará e te arremessará, posso arranhar sua pele, seu sono, mas eu só estaria apressando sua saída das minhas Terras, meu pequeno riacho, cujas águas ainda vão molhar diversas planícies, ainda vão se secar em terreno árido, pedir por alguma chuva, ainda transbordarão e se sujarão, antes, muito antes de encontrar minha tempestade novamente, se eu ainda for um Elemento da Natureza.


Eu fiquei envergonhado quando passei perto de você. Vim caminhando em sentido contrário e não acreditei no que estava vendo. Aquele seu vestido lindo... O mundo ficou reduzido, o mundo todo cabia em qualquer casca de noz, naquela hora entendi como ele cabe em algo tão pequeno. - Meu Pequeno Mundo Reduzido. Quando passei ao seu lado não te olhei. Não era um jogo, era uma tempestade gelada com uma aparência de infinito rubor. Acredito que você deva ter sentido um ar mais quente, uma brisa de calor que saiu de meu rosto corado. Seu sorriso estava ainda mais jovem, parecia o primeiro sorriso de alguém que nasce para algo. Seu sorriso me ofuscou. Você não me viu. Não poderia jamais me enxergar. Ficaria imperfeita se me visse. E eu resumido. O calor de meu rosto corado tocou sua pele. Você sentiu, eu percebi. Nossos corpos por pouco não se esbarraram. Quase nos encostamos. Quase sentimos o cheiro um do outro. Por um pequeno segundo, quase... Quase, quase nos tocamos...


Passei e não olhei para trás. Duas ondas tão grandes se colidiram em outro lugar.

Assim fui embora para sempre de Roma. Mas aquele vestido ficou tão lindo em você, e o seu sorriso...


Alex Wildner ao som de Sufjan Stevens.
Em um dia de inverno chuvoso, enquanto ele ainda é jovem.
Se não chovesse tanto, se não estivesse só,
se não tocasse Sufjan Stevens,
Tudo estaria diferente...