8/07/2009

Un po' di piccola Gratitudine



Hoje em dia recebo, mês sim, mês não, agradecimentos, champagnes, garrafas de gin e vinho, dos professores que eu tanto briguei e provoquei durante minha graduação, há tempos encerrada.

Hoje me agradecem.

Eles me agradecem. Todos. Sentem minha ausência, não por causa da minha saída pela ribalta, por eu ter terminado a faculdade e estarem livres do pequeno demônio desafiante, mas por terem sido estimulados, tão causticamente, como poucas vezes foram obrigados a trabalhar e repensar seus formatos tão severa e rapidamente.

São gratos.

Se tiverem a oportunidade de escolher como serão reconhecidos, optem por ser o incômodo.

O Gênio. O Sábio. O Belo. O Astuto. O Achaque. A Doença. O Mal. O Incômodo.

Todo Incômodo tem seu Talento.

Como seus corpos optam pelo vírus.

Fico feliz por vocês!

Pensaram mesmo sem querer, sem terem planejado.
Sem preparo. Não são todos que têm esta sorte.

Mas não mais me chamem de demônio, por gentileza, assim vocês acabam ofendendo todo um inferno. Desnecessário, e isto pode ser gratuitamente sério!


A deus!

8 comentários:

Anônimo disse...

Ah, menino, seu demô... ops, anjinho!

Anônimo disse...

teste

Anônimo disse...

Un po' di piccola Gratitudine? Un po' ?

Lívia Araújo disse...

Ei! A saudade é igual. Pois é. Nunca recebi o envelope, mas o importante é ter notícias suas. :-) É bom quando a parte boa do passado manda os seus ventos.
Como vc está? Estou em Porto Alegre faz quatro anos. Beijo, beijo!

Velho Santiago disse...

Com sua licença, esse velho queria dizer que é prova, por hora viva, das mostras e necessidade de repensar tão severamente e rapidamente qualquer tipo de formato. Pareço me lembrar té de provas disso, certo xerox duma prova aplicada por um mestre que tão contra ela o era; e mesmo assim a deu. Fomos contra! Haviamos até chegado atrasado à aula, e já estávamos com pressa de sair. E fomos o primeiro a sair. Eu, não a fiz, entreguei-a em branco, pedi para avaliar-me o passado, a trajetoria. Já esse demôniozinho, sim, ele! Levantou prova contra a petulância do mestre e o fez ir ao inferno, com certeza, apenas para se ver com sua lingua e com ela se entender, talvez repensar...

E isso tá no coração do velho. Por isso jamais se apagará como se apaga o que se guarda na cabeça de um idoso...

Pablo Treuffar disse...

“Se tiverem a oportunidade de escolher como serão reconhecidos, optem por ser o incômodo”

Caralho vc é foda, bom encontrar um espelho de mim.

Sua frase é coisa divina, definitiva por não o ser, é como o melhor vinho depois do pior sexo.

Eu também sou e sempre fui o INCÔMODO.

Confesso-me enlouquecido de vida com esse seu texto, todo ele é bom, cada letra cada virgula, SENSACIONAL.

Meus livros preferidos também são aqueles q ainda não foram escritos. Ah... são SIM!
...as possibilidades...

Não me lembro de estar tão intenso e emocionado comentando algo

Sorte pra ti, não q vc precise.

Anônimo disse...

Viva Twitter, escreves verdades mal ditas

Anônimo disse...

Ótimo texto.... sejamos sim incômodos.... isso é uma maravilha...
Estou seguindo seu blog, entre lá no meu e pode ser incômodo... parabéns e sucesso, embora o sucesso às vezes não seja o caminho.

movidoaletras.blogspot.com